Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Uma mãozinha...

Imagem relacionada

 

Os jornais dão hoje conta de um pacote, pronto a aprovar no Parlamento que, não só agrava as sanções, como alarga os titulares de cargos públicos que não declarem todo o seu património e rendimentos. Já não são apenas os "políticos" (ministros, deputados, autarcas, candidatos à presidência da República, chefes de gabinete, executivos das direcções dos partidos, etc.) abrangidos por estas obrigações declarativas. São também os magistrados, Judiciais e do Ministério Público, ou quaisquer consultores que sejam mandatados pelo governo para negociar quaisquer activos públicos.

Mais que uma mão na decência do tratamento da coisa pública, é bem capaz de ser uma mãozinha no negócio dos notários e conservatórias. E ... tantas escrituras que aí vêm...

 

 

 

Tutti frutti*

 

Há dois dias o país acordou com um novo nome de uma nova operação da Polícia Judiciária e do DIAP: "tutti frutti", foi desta vez o nome escolhido, num exercício que tem já tanto de famoso quanto de pitoresco. Mas não é, evidentemente, a criatividade ou a propriedade dos nomes escolhidos, e em particular no escolhido para esta investigação, que é relevante.

A operação envolveu buscas em escritórios de advogados, autarquias, sociedades e instalações partidárias em todo o país. E nos dois principais partidos políticos do regime, mas atingiu com especial incidência Lisboa e o PSD. Em causa estão suspeitas de crimes diversos, em particular o de corrupção, praticados por indivíduos ligados às estruturas partidárias no âmbito do poder autárquico e, tanto quanto se soube pelos nomes entretanto conhecidos, no caso do PSD, está envolvida gente proveniente das estruturas da juventude partidária que tem vindo a construir as suas redes.

Quer isto dizer que, nos partidos do regime, renovação não rima com regeneração. Que os nomes conhecidos do velho caciquismo passam, mas atrás deles vem novos nomes desconhecidos prontos a manter o sistema cacique e a rede de corrupção em perfeitas condições de funcionamento, porventura ainda mais refinadas.

É isto que desacredita, corrói e mata a democracia. São as práticas criminosas na política, na administração da coisa pública, que destroem as instituições e a democracia para, no seu lugar, surgirem movimentos inorgânicos e populistas que, a pretexto de as combater, visam apenas atentar contra os valores fundamentais da democracia e da condição humana.

Os partidos políticos são, ninguém tenha dúvidas, as instituições básicas da democracia. O combate ao caciquismo, ao compadrio e ao crime é decisivo para os salvar. E para travar os movimentos populistas anti-sistema que estão a tomar conta das democracias ocidentais, em particular na Europa. E que só não chegaram ainda ao nosso país porque não somos propriamente um povo de mobilização fácil. Para o bem, mas também para o mal!

Que a "tutti frutti" seja bem-sucedida. Levada até ao fim, e o princípio da regeneração da democracia que temos que salvar. 

 

* A minha crónica de hoje na Cister FM

Sócios especiais

Por Eduardo Louro

 

Acho sempre alguma graça a esta gente graúda da política que tem a lata de vir a público dizer que não tem nada a ver com empresas de que são sócios. Parecem aquele tipo de pessoas que dantes surgiam nos concursos de televisão sem nunca terem enviado os cupões. Eram sempre outros que os tinham enviado em seu nome...

As sociedades existem, e existem mesmo para aquilo que parece, ali, o que parece, é. Eles são sócios, mas nunca sabem de nada. No caso de Marques Mendes - vejam bem - até pensava que a empresa tinha fechado. 

São mesmo sócios especiais. Tão especiais que até acham que as sua empresas podem fechar sem que eles saibam!

 

Coisas estranhas (I)

Por Eduardo Louro

 

 

Não faço a mínima ideia se o que por aí se fala de Luís Filipe Menezes e de Pedro Passos Coelho é simplesmente coisas de jornais, com ligação ou não à forma com a Justiça atingiu recentemente os socialistas, quer no processo Face Oculta quer no caso Maria de Lurdes Rodrigues. Não faço ideia e recuso-me a qualquer especulação sobre o assunto.

Também não meto no mesmo saco as notícias sobre o anterior presidente da Câmara de Gaia e do actual primeiro-ministro, mas não consigo deixar de notar que as reacções de cada um a essas notícias são completamente opostas.

Menezes negou com veemência as acusações que lhe são feitas. Valha isso o que valer, a verdade é que marcou uma posição!

Passos Coelho diz que não se lembra do que se passou há 15, 17 ou 18 anos, "não tem presente". E remete a investigação do caso para a Assembleia da República, o que não deixa de ser estranho. Mas, com toda a franqueza, o que não convence ninguém é que alguém possa receber 5 mil euros por mês durante 30 meses sem disso se lembrar. Mais a mais em acumulação com as funções de deputado em regime de exclusividade, e sabendo que isso era ilegal.

É muito estranho que não se lembre de nada disto. Mas é ainda mais estranho que seja essa a única resposta que tenha para dar quando o tema é Tecnoforma, que ele sabe que há muito o persegue. E que mais o irá perseguir a partir do momento em que o seu ex-patrão há apenas quatro meses dizia que ele abria as portas todas... Para um tema destes um primeiro-ministro tem que ter uma resposta na ponta da língua. E minimamente convincente!

Construir moinhos a pontapé

Por Eduardo Louro

 

Miguel Relvas regressou, porque “quando os ventos sopram fortes, alguns abrigam-se, outros constroem moinhos”. E ele “escolheu sempre construir moinhos”… Nenhum mistério, portanto!

O “único mistério que existe é estar ao serviço do PSD”. Ao serviço do PSD, como há muito anos está essa figura incontornável que se dá pelo nome de Zeca Mendonça que, quando alguns se abrigam, não se encolhe nem se esconde. Desata ao pontapé e … assunto arrumado!

Porque importante é arrumar com os assuntos… Até porque estar ao serviço do PSD – e do PS, aí não há linha que os separe – é construir moinhos. E de moinhos, e da maneira de para lá levar a água, sabem eles. Ocupam funções em cerca de 90% das vinte maiores empresas nacionais (PSI 20). Em 31 das 50 empresas cotadas na Bolsa encontramos 51 políticos em cargos de gestão, administração e fiscalização, e ainda mais 70 com outros e diferentes graus de envolvimento. Metade deles são ou foram ministros!

Estes são dados analisados e revelados por um estudo de Maria Teresa Bianchi, doutorada em Ciências Empresariais pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto, que conclui que 60% das empresas cotadas estão repletas de políticos bem distribuídos pelo PS e pelo PSD.

Tanta gente a construir moinhos... A pontapé!

 

Dever e temer

Por Eduardo Louro

 

 

Este ano foram notícia os meios de segurança mobilizados para as férias dos políticos no Algarve. A esses meios acresceram ainda os seguranças que normalmente lhes estão afectos e que vão sendo notícia nas mais diversas circunstâncias.

Como se tudo isso não bastasse, ainda foi notícia uma afliçãozita Jorge Sampaio nas águas de uma das praias de Lagos, que contou, também ela, com a participação dessas personagens. Não que tenha constado que o tivessem ajudado a livrar-se da corrente que contrariava a sua vontade de sair da água – aí não lhe valeram de nada – mas porque, rezava a notícia, logo que chegou à areia, desapareceu levado justamente pelos seguranças. E pronto, lá ficava toda a gente a saber que até um antigo presidente, que não faz mal a ninguém nem a quem ninguém quer fazer mal, também vai de férias para o Algarve com seguranças.

Reconheço alguma dificuldade em aplicar aos políticos, mesmo que na reforma, aquele princípio popular de quem não deve não teme. Até porque se houvesse algum que não devesse, é tanto o que todos os outros devem, que nunca daria para lhe garantir grande coisa…

Na realidade devem, e tanto, que só podem temer. Como também diz o povo, quem tem cu tem medo. E eles não têm cara, mas cu não lhes falta. Por isso demos de barato que têm de andar acompanhados por quem lhes defenda a cara que não têm, o cu que têm de sobra, e o resto da carcaça…Mas mandaria o mais elementar bom senso que não os exibissem!

Não lhes nego o direito ao quotidiano de férias do comum dos cidadãos. Mas não me parece aceitável que exerçam esse direito afrontando os outros com exibicionismos bacocos de tipos musculados com ar de agente secreto de trazer por casa.

Partilhei – não partilhei coisa nenhuma, fui obrigado a conviver com isso - o meu espaço de férias com um ministro, e nem sequer interessa identificá-lo, que se achava no direito - que, como referi, lhe não nego - de fazer tudo o que, por exemplo, eu fazia. Mas, francamente! Chegar à esplanada com quatro rapagões, que ficam ali especados… Andar no supermercado mais preocupado em olhar à volta (ou em ser visto?) do que para as prateleiras, sob o olhar dos mesmos quatro, também eles a parecerem mais interessados em ser vistos que em ver, não é fazer o que faz o cidadão comum. É outra coisa qualquer, é uma espécie de novo-riquismo que lhes retira de cara o que lhes acrescenta de cu!

JOVENS DEPUTADOS: TEMOS FUTURO?

Por Eduardo Louro

 

“A ignorância da juventude é um espanto”. Esta era frase de um programa de humor do Jô Soares, há já muitos anos. A ignorância da juventude feita deputados da nação é um escândalo que não espanta!

Se não fossem estas cenas dignas de um qualquer programa de apanhados, nem sequer saberíamos que eles existiam. Sabíamos que eram ignorantes, porque nos apercebemos disso a todo o momento, não sabíamos é que também eram deputados…

Se, com os políticos que temos, são estes os que iremos ter, o melhor é mesmo fugir daqui. Depressa!

A GOZAR CONNOSCO

Por Eduardo Louro

 

O primeiro-ministro ontem gozou com a UGT. Em inglês (mau, mau mas em inglês) mas gozou!

Face às sucessivas violações do governo do acordo de concertação social – que não deveria apenas respeitar, deveria respeitar escrupulosamente, não só para segurar o mínimo denominador comum da paz social mas, acima de tudo, para segurar o seu valor inestimável na credibilidade interna e externa do governo – João Proença ameaçou denunciar o acordo que havia assinado. De Londres, Passos Coelho, disse que não se passa nada, que é apenas o aproximar do 1º de Maio (“the first of May date”, disse ele)!

Isto não é gozar apenas com a UGT. É gozar com todos nós!

Mais ou menos na mesma altura, em Madrid, o rei Juan Carlos abandonava o hospital onde estivera internado enquanto a Espanha se indignava com a sua caçada no Botswana e, sem ninguém lhe colocar a questão, visivelmente mais preocupado em fazer aquela declaração do que em qualquer outra coisa, tomou a iniciativa de pedir desculpa ao povo espanhol e de garantir que não mais repetiria um erro daqueles.

Nunca vimos isto em Portugal! Perante todos os erros, muitos deles bem mais graves (não é Senhor Presidente da República?), em Portugal fogem, escondem-se e chutam para canto. Fazem de nós parvos. Gozam connosco!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics