Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Era só o que faltava...

Por Eduardo Louro

Imagem relacionada

 

A coligação no poder apresentou ontem o programa eleitoral. Com pompa, muita pompa... Dada a circunstância - em cima das férias, fora de tempo de discussão - nada mais prentendia que pompa.

Podia, mesmo assim, a coligação ser mais comedida na charlatanice

Recorro ao velho slogan publicitário: Poder, podia... Mas não era a mesma coisa!

No meio de tanta aldrabice, a sem vergonha tinha ainda de chegar à ameaça com as agências de rating

Tinha. Porque é aí, já em pleno território do absurdo, na fronteira com a loucura, que a charlatanice atinge o climax da conclusão no tal slogan publicitário.

Era o que faltava... Era o que faltava no discurso charlatão. Já não falta!

O que falta - e a falta que lhes faz - é que as agências de rating assinem por baixo o discurso dos milagres dos charlatães. Não assinam por baixo, não caucionam e mantêm o país no lixo, donde não não saiu como ainda se atascou mais...  

É tal a vertigem que ja nem conseguem parar, para pensar. E acabam por se espetar, com estrondo: para ameaçarem com o papão das agências de rating não conseguem esconder que afinal  o país é - continua - lixo, sem nada a ver com o que apregoam.

 

"As pessoas sabem com o que é contam da nossa parte"

Por Eduardo Louro

 

Não me passaria pela cabeça que Passos Coelho tivesse lido isto. Menos ainda que viesse dar-lhe resposta tão pronta... Logo aqui, em Leiria. E logo poucas horas depois ... Já nem sei se não terá vindo de propósito.

Exactamente: Passos explicou por que não está preocupado em apresentar programas... Nem medidas... Nem ideias... Não há pressa, tranquilizou os seus apoiantes de Leiria. E através deles todo o país...

"As pessoas sabem com o que é contam da nossa parte". Também me parece!

 

 

NOVIDADES DO FIM-DE-SEMANA

Por Eduardo Louro

 

Três dias depois do programa da Troika aí está o programa eleitoral do PSD. Quando tinha de estar! Quando poderia estar…

São 122 páginas – poderiam ser bem menos, como ainda agora poderíamos ter aprendido com aqueles senhores que cá estiveram – que, à luz das obrigações contratualizadas com a União Europeia e o FMI, apontam, de uma maneira que me parece séria e sem cedências eleitoralistas, que agora seriam completamente disparatadas, um caminho para Portugal nos próximos anos.

Sabemos que o comum dos portugueses não lê os programas eleitorais e que as campanhas se desenvolvem a partir de meros spins e sound bytes centrados numa ou noutra ideia que, muitas das vezes, nem sequer encontramos em nenhuma parte do programa. Se, lá bem no fundo, as pessoas não os lêem é porque não estão para isso - têm mais que fazer, mesmo que não tenham – é sempre fácil dizer que não se interessam porque não vale a pena. Porque nada daquilo é para cumprir: promessas, só promessas de que estão todos fartos!

Acho que este é também o tempo de fazer um esforço para desatarmos este nó - mais um - que estrangula a nossa democracia. A gravidade do momento que atravessamos justifica o nosso empenhamento na participação cívica e democrática: a começar por aí, por dar atenção aos programas dos partidos!

Sócrates, que domina bem todas a s variáveis do marketing político, sabe disso: que as pessoas não se dão ao trabalho de ler os programas eleitorais. Por isso apresentou o seu antes e à revelia do programa da troika, com o único objectivo de fazer passar a ideia de que esse mais não seria que o seu PEC 4. E reclamava a apresentação do programa eleitoral PSD para dele retirar um ou dois pontos que a sua máquina de propaganda se encarregaria de formatar à sua medida e martelar ritmadamente, como só eles sabem fazer. Como já estão a fazer!

O acontecimento político do fim-de-semana não é, porém, a apresentação do programa eleitoral do PSD. Nem tão pouco a convenção do Bloco. É a inequívoca declaração de Pedro Passos Coelho de que não haveria bloco central: nem ele estará com o PS no governo nem o PS estará com ele no governo!

Quando toda a gente se tem mostrado tão empenhada nos mais amplos consensos e nos mais maioritários dos governos, que eu aqui tenho permanentemente condenado, é bom que venha alguém dizer que isso não vale. Que perceba que com isso não se pretende outra coisa que desculpabilizar quem tem a responsabilidade de trazer o país até aqui. Que diga claramente e sem ambiguidades que o eleitorado tem a responsabilidade de fazer escolhas e de punir quem tem de ser punido!

Quem nos conduziu à mais baixa média crescimento económico dos últimos 90 anos, à maior dívida pública (em função do PIB) dos últimos 160 anos, à maior dívida externa dos últimos 120 anos; ao maior desemprego dos últimos 80 anos e à segunda maior vaga de emigração da nossa História, já que não pode – como merecia - ser criminalmente responsabilizado, não pode deixar de ser exemplarmente punido nas urnas. Quem mentiu e continua a mentir, a manipular e a tratar Portugal e os portugueses como se tudo isto não passasse de um jogo, tem que ser afastado do governo. Não pode ter perdão!

As reclamadas convergência, unidade, maiorias e unanimidades são apenas esponjas que pretendem apagar toda esta desgraça que é a herança de Sócrates!

PPC veio dizer claramente que não contem com ele para isso. E eu aplaudo!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics