Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Vacina de confiança*

Rússia afirma ter registrado a primeira vacina do mundo contra o ...

 

Putin anunciou a vacina por que todo o planeta anseia, com o nome de Sputnik V, mas o mundo desconfiou.

Talvez comece por aqui, justamente pelo nome, a desconfiança do mundo na vacina russa. Há três boas razões para desconfiar. A primeira é que há apenas uma semana ainda não constava entre as seis que a Organização Mundial de Saúde garantia estarem mais avançadas. A segunda é a falta de acompanhamento de pares estrangeiros em relação à metodologia científica utilizada. E a terceira é o registo da vacina sem estar concluída a fase de testes. Putin anunciou que foi testada na filha, e que tudo está a correr bem. Não é bem a mesma coisa... 

Mas basta o Sputnik para desconfiar. Sputnik é a marca do programa espacial do início da segunda metade do século passado, com que os soviéticos chegaram primeiro ao espaço, ganhando essa batalha aos americanos. É a marca do poderio científico russo que Putin agora recupera para marcar superioridade face ao ocidente.

Putin é capaz de tudo. Para tudo e especialmente para marcar essa superioridade.

Confiar numa vacina não é uma questão de crença. É uma questão científica. E ninguém acredita que Putin queira arriscar o prestígio mundial da Rússia numa vacina feita exclusivamente de propaganda. Da mesma forma todos sabemos que, seja a que nível for, nunca se pode subestimar a Rússia. A História encarregou-se de nos ensinar que sempre que alguém o fez se saiu mal.

Mas nem isso faz com que, em vez de aplaudir esta vacina, o mundo continue desconfiado… É que, mais que de uma vacina contra o covid, Putin precisa de uma vacina de confiança. De credibilidade.

 

* A minha crónica de hoje na Cister FM

A vacina

Rússia diz que vacina chega às farmácias a 1 de janeiro de 2021 - JN

 

No dia do arranque da inédita  "final 8" da Champions, no Estádio da Luz, em Lisboa, num sempre apetecível "David" (o estreante Atalanta, de Bérgamo) contra "Golias" (PSG, onde só o salário de Neymar sobra para pagar todos os vencimentos da equipa italiana), e no dia em que finalmente se ficou a saber quem acompanha Byden na corrida presidencial (Kamala Harris, a senadora californiana, poderá vir a ser a primeira vice-presidente mulher afro-descendente) - enquanto Trump mergulhava de cabeça em mais uma das suas alarvidades (desta vez foi a gripe espanhola, em 1917, que acabou com a segunda guerra mundial, em 1945) - a notícia é outra.

A notícia é a vacina russa para a covid, que Putin anunciou ao mundo com o nome de Sputnik V. 

Talvez comece aqui, justamente no nome, a onda de desconfiança do mundo na vacina russa. Na verdade há três boas razões para desconfiar. A primeira é que não constava entre as seis que a Organização Mundial de Saúde (OMS) disse na semana passada estarem mais avançadas. A segunda é a falta de acompanhamento de pares estrangeiros em relação à metodologia científica utilizada. E a terceira é o registo da vacina sem estar concluída a fase de testes. Putin anunciou que foi testada na filha, e que tudo está a correr bem. Não é bem a mesma coisa... 

Mas basta o Sputnik para desconfiar. Sputnik não é apenas a marca do programa espacial dos gloriosos anos do início da segunda metade do século passado, quando os soviéticos, ao chegaram primeiro ao espaço, ganharam essa batalha aos americanos. É a declaração do poderio científico russo face ao ocidente, e todos sabemos o que isso vale para Putin.

Por isso, Putin é capaz de tudo. E por isso, em vez de aplaudir a vacina por que anseia, o mundo desconfia.

 

 

Czar da República

Resultado de imagem para czar putin

 

Sem lata para continuar a saga de Mr Dupont e Mr Dupond, como já aqui lhe chamei, com a rotação entre a chefia do governo e a da República para contornar a limitação de mandatos, Putin parte para outra. E começa logo por descartar o seu Mr Dupond, o seu peão Medvedev, agora na chefia do governo. 

Parece assim, mas talvez não seja bem assim. Putin não estará propriamente a deitar Medvdev fora, nem sequer a pedir-lhe um último sacrifício. É preciso que alguma coisa mude para que tudo fique na mesma, e Putin quer mude muita coisa para que tudo fique ainda mais na mesma. Muda, para já, o governo. E depois muda a constituição, retirando poderes ao Presidente, que já não será ele, mas o que lhe suceder em 2024, e que não será mais Medvedev. O que está por saber é que figura institucional inventará para si próprio para receber esses poderes que, obviamente, que não vão para a Duma (o parlamento) como pretendeu Putin que ficasse subentendido.

Talvez czar da República não ficasse mal...

De pernas para o ar

Resultado de imagem para trump putin

 

Há uma semana Trump humilhou os parceiros da NATO. Há dois dias, humilhou toda a Grã Bretanha, nada nem ninguém lhe escapou. Nem a Rainha... Chegado a Helsínquia, lado a lado com o seu amigo, inspirador e par, humilhou a América.

Quando Trump diz ao mundo que acredita em Putin, e não nos serviços secretos americanos, humilha a América. Quando acusa os seus antecessores de responsáveis pelas más relações com a Rússia, trai o seu país.

Pelo meio, entre a humilhação da NATO e do Reino Unido e da própria América, Trump rebentou com todos os pilares do Ocidente, ao declarar inimigos a Europa e o Canadá.

Talvez agora os mais renitentes comecem finalmente a perceber a perigosidade da criatura. Não, não é embirração!

Putin?  Esse só dá por bem empregue o tempo (e o dinheiro) que gastou para o colocar na Casa Branca. Para já tudo lhe corre bem... O mundo já está de pernas para o ar!

 

Provavelmente...

Imagem relacionada

 

Aqui há uns anos ficou famoso um slogan publicitário criado para uma marca de cerveja - "provavelmente a melhor cerveja do mundo"... Pegou de tal forma que permanece como imagem de marca da Carlsberg. 

Creio que serviria bem para anunciar a cimeira de hoje, em Helsínquia, entre "provavelmente, os dois mais odiados líderes do mundo"!

Nem o "make up" de um, no Mundial ainda fresquinho, e que nem as Pussy Riot conseguiram borrar, nem o anúncio da recandidatura, pelo outro, conseguem mudar nada disso. Provavelmente...

Notícias do fim de semana

Resultado de imagem para notícias

 

Do fim de semana sobram as notícias da reeleição de Putin, e a demissão de Feliciano Barreiras Duarte, mais conhecido por "Nanito". O que é têm em comum?

Muita coisa. Estavam garantidas, não constituem surpresa nenhuma. Estão ambas recheadas de histórias aterrorisadoras. E mostram como tudo isto está perigoso e mal frequentado. 

Inesperada é a notícia da sondagem que dá a Assunção Cristas o quinto lugar, com uns expressivos 6,6% de intenções de voto. Logo a seguir ao congresso do CDS, mantido no topo da actualidade por toda a semana, quando já toda a gente acreditava que tínhamos mulher, uma sondagem com estes resultados ... Nem devia valer!

Gente Extraordinária LII

Por Eduardo Louro

 

Durão Barroso revelou que Putin lhe tinha dito que, se quisesse, tomava Kiev em duas semanas, e deixou os líderes europeus de cabelos em pé. E foram reagindo, até que o Kremlin desmentisse e desse dois dias a Barroso para se retratar, sob pena de revelar integralmente a conversa. Acabou hoje o prazo, e o ainda presidente da Comissão Europeia, de rabinho entre as pernas, veio dizer que a declaração tinha sido tirada do contexto. E que tinha sido divulgada uma conversa privada, acusando terceiros, como fazem as crianças quando a coisa dá para o torto, do que tinha sido exactamente ele a fazer: nem mais nem menos que, de uma conversa privada, retirar uma expressão do seu contexto!

É um tipo deste calibre que presidiu à União Europeia nos últimos 10 anos. Como é que alguém se pode admirar do estado a que isto chegou?

Tanta Gente Extraordinária neste país... E de caracter!

DEMOCRACIA E LIMITAÇÃO DE MANDATOS

Por Eduardo Louro 

 

Quando a Madeira já chegou à Madeira discute-se a falta de uma disposição de limitação de mandatos. Houvesse limitação de mandatos e há muito que Jardim teria deixado de brincar connosco, diz-se. Ou teria ido pregar para uma outra qualquer freguesia, eventualmente com muito menos brinquedos!  

Num país que foi outrora pátria de amanhãs que cantam há uma democracia com limitação de mandatos. A presidência daquela República está limitada a dois mandatos de quatro anos, como mandam as boas regras da democracia!

Alguém neste país terá provavelmente entendido que os mandatos eram curtos, que quatro anos é pouco tempo para executar obra e construir a felicidade do povo. Foi decidido aumentá-los para seis anos, a nova periodicidade do próximo mandato. É aceitável e já assim é nalguns países, que não são menos democráticos por isso.

Este país de que vos falo é, como já terá dado para perceber, a Rússia. Que vai a eleições presidenciais em Março do próximo ano, que também já foi o país dos czares, e que, desde a queda do império soviético, descobriu uma democracia muito particular: a czardemocracia!

É simples: o czar é primeiro entronado e depois eleito. A seguir escolhe um secretário e, como bom czar que é, nomeia-o primeiro-ministro. Esgota os seus mandatos e troca com o secretário: passa ele a primeiro-ministro e manda votar no secretário para a presidência que, esgotados os dois mandatos, lhe devolve de novo a presidência, entretanto com mandatos constitucionalmente mais alargados. Tudo constitucional. Tudo democrático, tudo decidido pelo povo eleitor!

Houvesse limitação de mandatos nas regiões autónomas e teria sido o Alberto João a descobrir esta fórmula mágica da democracia, roubando a patente a Putin. O Mr Dupont e o Mr Dupond seriam Vladimir Alberto João Putin e Dimitri Jaime Ramos Medvedev!

Quando as coisas são como são e o povo é como é, isso da limitação de mandatos, como diria a outra, não interessa nada!

 

 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics