Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Coisas extraordinárias

Resultado de imagem para centeno antónio costa vieira da silva

 

 

Também a Fitch, mesmo no finalzinho da semana, retirou Portugal do  lixo, saltando directamente dois degraus na escada da classificação de rating. Foi provavelmente a última grande notícia do ano, o tal que Costa designou de  "saboroso", gerando mais uma onda de indignação e obrigando-o a voltar a falar de contexto. Ou de fora dele...

Não deixa de ser extraordinário que um governo tido por politicamente forte - é essa a marca de António Costa - e economicamente vulnerável, sobreviva hoje politicamente à custa do seu desempenho económico. Não deixa de ser extraordinário que, contra todas as expectativas, o governo tenha ganho na economia o que lhe permite cobrir tudo o que perde na política, onde não param de se suceder situações embaraçosas. Como a que hoje leva o peso-pesado Vieira da Silva ao Parlamento!

Nem deixa de ser extraordinário que seja Máro Centeno, que ninguém quis levar a sério e que toda a gente escolheu para bombo da festa, o abono de família do governo do súper António Costa!

 

 

 

Era só o que faltava...

Por Eduardo Louro

Imagem relacionada

 

A coligação no poder apresentou ontem o programa eleitoral. Com pompa, muita pompa... Dada a circunstância - em cima das férias, fora de tempo de discussão - nada mais prentendia que pompa.

Podia, mesmo assim, a coligação ser mais comedida na charlatanice

Recorro ao velho slogan publicitário: Poder, podia... Mas não era a mesma coisa!

No meio de tanta aldrabice, a sem vergonha tinha ainda de chegar à ameaça com as agências de rating

Tinha. Porque é aí, já em pleno território do absurdo, na fronteira com a loucura, que a charlatanice atinge o climax da conclusão no tal slogan publicitário.

Era o que faltava... Era o que faltava no discurso charlatão. Já não falta!

O que falta - e a falta que lhes faz - é que as agências de rating assinem por baixo o discurso dos milagres dos charlatães. Não assinam por baixo, não caucionam e mantêm o país no lixo, donde não não saiu como ainda se atascou mais...  

É tal a vertigem que ja nem conseguem parar, para pensar. E acabam por se espetar, com estrondo: para ameaçarem com o papão das agências de rating não conseguem esconder que afinal  o país é - continua - lixo, sem nada a ver com o que apregoam.

 

Lixo

Por Eduardo Louro

 

A Fitch mantém o rating da República em BB+. Na gíria, lixo. E explica: pela trajectória da dívida e porque a economia portuguesa não cresce; porque não é competitiva e as empresas estão sobreendividadas! 

Certa ou errada, é esta a explicação que dão para não rever a classificação de risco que teimosamente persegue a economia portuguesa. Bem ou mal, é desta forma que as agências de rating ratificam o milagroso desempenho que tantos elogiam.

Com o modo "que se lixem as eleições" há muito desligado, e com o botão do turbo eleitoral no máximo, Pedro Passos Coelho, lá longe, do Japão, dá-nos outra interpretação. Não é expectável - garante - que as agências de rating revejam as suas classificações de rating antes das eleições, pela simples razão que, primeiro, querem saber quem as ganha. Querem saber se tudo o que de bom tem sido feito - mas que não foi suficiente para as fazer alterar uma única posição, digo eu - vai ter continuidade. Diz o primeiro-ministro, com o maior descaramento deste mundo, que não se passa nada. Ganhe ele as eleições, e volte ele a formar governo, e as agências de rating virão imediatamente a correr atribuir o AAA+ a Portugal!   

E diz isto apesar de a própria a Fitch ter na circunstância referido não esperar que as próximas eleições legislativas tragam "um desvio relevante de política", uma vez que "os dois principais partidos (PSD e PS) são pró-europeus", e que "não há partido populista ou antieuropeu que tenha atraído apoio significativo nas sondagens de opinião".

É isto que nos espera, todos os dias, ao longo dos próximos seis meses. É com estas agressões à nossa sanidade mental que teremos diariamente de conviver. Se até aqui valeu tudo, daqui para a frente não há limites para o populismo, para a demogagia, para o descaramento, para a falta de vergonha... Para o lixo que se vai amontoando!

RATINGS & IRONIAS

Por Eduardo Louro

 

Passos Coelho - e já antes o governo, através do Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros – acaba de fazer uma festa a propósito de uma revisão do rating da dívida da República. Que é a recompensa aos portugueses. Que é a prova de que este é o caminho certo. Mas que não podemos embandeirar em arco, porque isso só tem verdadeiro significado se nos mantivermos fiéis ao caminho traçado. Ao nosso destino, acrescentaria eu!

Mas então o que é que se passou? O que é que motiva ou justifica tantos foguetes?

Já não somos lixo?

Já temos um rating de gente grande?

Já podemos ir à vontade aos mercados, como gente séria e respeitável?

Já não corremos o risco de nos chamarem caloteiros, aí numa esquina qualquer?

Nada disso!

A Standard & Poor´s manteve a classificação de lixo, a notação BB que utiliza para investimentos de alto risco. E naturalmente pouco recomendáveis. O que a Standard & Poor´s anunciou hoje foi isso mesmo, que manteve a notação absolutamente inalterada. Mas que alterou a sua perspectiva: o outlook, como eles dizem!

Passaram de um outlook negativo para um estável. Quer dizer, antes achavam que era lixo mas ainda podia piorar; agora acham que é o mesmo lixo e que por aí se vai manter. Que daí não vamos sair…

Dirão agora os mais optimistas, aqueles que vêm sempre o copo meio cheio: “Bem, pode não ser bom, mas também já não é mau que essas agências pensem agora que, para pior, isto não vai”!

Lamento desiludi-los, mas a Standard & Poor´s também explicou por que é que fez tão significativa alteração. Por que é que hoje já pode achar que o lixo é estável quando ainda ontem achava que o lixo ainda podia piorar. Uma simples justificação: porque os ministros das finanças da União decidiram apoiar o alargamento dos prazos que Portugal e a Irlanda terão para pagar os seus resgates.

Quer dizer, à Standard & Poor´s essa coisa do "mais tempo" diz alguma coisa. Não diz grande coisa, mas…

Pois é. Admito que algum dos leitores já esteja a esboçar um sorrisinho… É realmente irónico: quem sempre fez finca-pé, que "mais tempo" é que nem pensar… Ainda ontem o inimputável Vítor Gaspar (peço desculpa, mas já não consigo tratá-lo sem aquele adjectivo) fazia aquela figurinha sobre os quinze anos pedidos pela Irlanda

No meio de tanta desgraça, sem nada a que se agarrar, Passos Coelho corre atrás da primeira cana de foguete que vê. E quer que festejemos com ele… Ridículo!

O inimputável é, apesar de tudo, um bocadinho mais esperto: vejam lá se o ouviram dizer alguma coisa? 

CONTRA O LIXO

 Por Clarisse Louro *

 

 

Há pouco mais de um ano começamos a ouvir falar de rating e de agências de rating. E de notações: os resultados das avaliações de risco!

Não fazíamos ideia de nada disto mas rapidamente aprendemos. E depressa nos fomos familiarizando com estes nomes: Moody`s, Fitch, Standard & Poor´s. Aprendemos que havia AAA – o triple A - em inglês, pois claro. E que isso era bom: tão bom que era, em 2008 e um mês antes da falência, a classificação que tinham atribuído ao Lehman Brothers. Mas que, depois, pode cair. Para um único A, depois para B+, para B- e por aí abaixo. Até chegar a lixo!

 Foi aí que acabamos de chegar: a Moody`s avaliou a nossa dívida externa como lixo. Junk, em inglês. Mas aqui o português sobrepõe-se ao inglês, e é lixo! Porcaria!

Há pouco mais de um ano isto tinha acontecido à Grécia. E nós estamos fadados para nos guiarmos pela lanterna grega. Estamos num buraco negro, completamente escuro, onde apenas sabemos que ali à frente vai a Grécia com uma lanterna. A luzinha que vemos não é a famosa luz ao fundo do túnel: é a da lanterna grega!

Já devíamos ter percebido isto há muito. Mas não quisemos! Daí a indignação que tomou conta do país. Há muito que não víamos o país tão unido em torno de uma causa. Se calhar desde a causa de Timor!

A indignação e a revolta com esta classificação uniu os portugueses. Para já não se percebe que nos tenha unido em torno de qualquer coisa, a favor de um objectivo ou de uma missão. Mas percebe-se que nos uniu contra a Moody´s! Contra a Moody`s marchar, marchar… No facebook, evidentemente!

O país está mobilizado e unido nesta guerra. Bem organizado sob o comando do comandante-chefe das forças armadas: o Presidente da República. Foi o primeiro a sair, a dar o corpo às balas, a dar o exemplo. Logo ele, que ainda há bem pouco tempo – já bem depois da lanterna da Grécia por aqui ter passado – era o primeiro a dizer que não era esse o inimigo. Que nem sequer deveríamos falar neles, porque isso era desviarmo-nos das nossas obrigações. E os mercados? Bem, esses tinham sempre razão…

Esta é uma guerra para ganhar. Claramente, sem sombra de dúvida: estamos todos unidos, com uma liderança clara – a do Presidente da república – mas, mais, com a Europa connosco, como já não estava desde os tempos do PREC. Quando, estando com Mário Soares, estava connosco!

E nem sequer é a Europa do Durão Barroso – se bem que essa também esteja, apesar de não contar para nada -, é a Europa da Alemanha. Essa mesma, a da Senhora Merkel. Connosco como nunca antes tinha estado. E a do Sr Trichet – na verdade também é da Senhora Merkel – do Banco Central Europeu, que veio logo dizer que os ratings das agências, para ele, já não contavam nada. E até já veio explicar que bem podem tirar o cavalinho da chuva, porque em países intervencionados – o nosso, a Grécia e a Irlanda e deve ficar por aqui, porque já não há dinheiro para mais – eles não irão poder meter o nariz.

 

* Publicado hoje no Jornal de Leiria

RATING

Por Eduardo Louro

 

 

A União Europeia (EU) reagiu à notação da Moody`s à dívida portuguesa de forma concertada - ao que pareceu – com as instituições nacionais. A reacção vale o que vale – que não é muito – e em particular a de Durão Barroso valeu pouco. Valeram bem mais as alemãs e valeu, essa sim porque foi bem para além da simples declaração formal, a do BCE ao declarar que deixará de condicionar a sua actividade pelas notações de rating.

Esta é uma decisão relevante e que há muito se impunha. O BCE, bem como os restantes organismos europeus, conhecem – têm toda a obrigação disso – as economias europeias e as condições financeiras dos estados membros. Nem o famoso caso grego serve para o pôr em causa. Os gregos não enganaram a União Europeia, esta é que quis deixar-se enganar! Já vinha dos tempos da integração no euro: a UE sabia perfeitamente que a Grécia não cumpria os critérios de adesão!

Não precisa, por isso, dos serviços das agências de rating e faz muito bem em dispensá-los. Percebe-se mal, de resto, a intervenção das agências de rating nas dívidas públicas, mas isso é outra história.

Esta é uma decisão eficaz e com todo o sentido: de oportunidade e de princípio. Já a anunciada criação de uma agência de rating europeia – prevista lá para o Outono mas que António José Seguro pateticamente reclama para já – não faz qualquer sentido. Se as agências americanas não estão acima de suspeição, a resposta tem que ser dada através dos dispensa dos seus serviços, nunca substituí-las por outras criadas com todo o ar de quem procura favorecimento (a agência chinesa foi criada num cenário que nada tem a ver com o que actualmente vive a Europa).

Outra coisa seria o lançamento não de uma, mas duas ou mesmo três novas agências que alarguem a oferta e confrontem o oligopólio americano com uma concorrência séria. Porque, para além de todas as suspeitas, há os factos: estas empresas, ligadas aos interesses financeiros americanos, tiveram uma participação escandalosa na crise financeira mundial de 2008 que ainda hoje asfixia milhões de pessoas por esse mundo fora. E isto não pode continuar como se não tivesse acontecido!

 

 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics