Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

A PARÁBOLA DO ESCORPIÃO

Por Eduardo Louro 

 

A troika é, como se sabe, uma emanação do FMI. A Comissão Europeia e o BCE não estão lá a fazer outra coisa que compor o ramalhete: não têm experiência nestas coisas, acabam agora de entrar nestas andanças!

Das ondas levantadas pela conferência de imprensa de anteontem – que Ulrich pretende agora proibir – e da entrevista do representante do FMI, o dinamarquês Paul Thomsen, à RTP, os media escolheram surfar a da redução de salários no sector privado. Viram ali a onda gigante da Nazaré, da semana passada!

O assunto não constava no texto oficial da troika, mas não foi poupado em tudo o que foi intervenção pública. Na conferência da CIP de ontem – onde tanta coisa importante foi dita, como, por exemplo, Belmiro de Azevedo a dizer que já não acredita neste governo nem neste presidente, ou Fernando Ulrich a dizer o que disse mas, mais importante, a dizer (o que não disse) que a economia não vai poder contar com crédito no próximo ano – aquela confederação patronal não se mostrou nada entusiasmada com o assunto. Importante, na sua perspectiva, é a flexibilidade de gestão do banco de horas resultante da meia hora diária de trabalho adicional. O primeiro-ministro, em Angola, chutou para canto. Oficialmente o assunto não existe! Os opinion maker oficiais do regime vêm a correr desvalorizar o assunto. Com duas correntes: uma que argumenta que isso já foi feito no sector privado e outra que garante não se justificar fazer o que os outros dizem que já foi feito, porque é o prémio de risco do sector. Quer dizer, os trabalhadores do sector privado pagam tudo com língua de palmo através do risco de desemprego. Os do sector público, imunes ao desemprego, é que têm de se contentar com a baixa de salários! Que, ainda por cima, é corte de despesa!

Não é, evidentemente, porque toda a gente esteja contra esta ideia de baixar salários no sector privado que a medida não tem pernas para andar. Ou que a troika não a inclua nos relatórios oficiais. É apenas porque, provocando quebras de receita (IRS e Segurança Social) cavaria mais fundo o buraco orçamental.

O FMI assenta a sua receita na desvalorização cambial. Sempre assim foi, e nunca, até agora, encontrara situações como esta. Não tem plano B! Por isso procura a competitividade nunca através da valorização do que quer que seja mas da desvalorização de tudo o que tenha à mão. E, à falta de moeda, lá vêm os salários em primeiro lugar!

Perguntar-se-á: então mas se, mesmo que funcionários de sétima linha - como o presidente do BPI lhes chama - estes técnicos da troika sabem que aumenta o défice, por que carga de água não resistem a insistir na redução dos salários do sector privado?

É que, como na parábola do escorpião, está-lhe na massa do sangue. A resposta é exactamente a mesma do escorpião para o sapo: porque sou um escorpião e essa é a minha natureza!

 

 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics