Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Ora aí está o governo, a todo o vapor...

Por Eduardo Louro

 

 

O novo governo, na sua primeira reunião em conselho de ministros, tomou a primeira decisão. Claro que a primeira decisão de um novo governo, em novo ciclo, que vai dar a volta a isto, é de alto valor simbólico. E exemplar, porque o governo sabe bem que não há uma segunda oportunidade para criar uma boa primeira impressão!

Vai daí e, a primeira decisão do novo governo, é ... a privatização dos CTT. Impressionante. Surpreendente!

Perguntarão os mais cépticos: e foi só isso? Não fizeram mais nada no primeiro conselho de ministros de Portas?

Respondo: fizeram. Decidiram ainda o texto da moção de confiança...

 

DE MANGAS ARREGAÇADAS

Por Eduardo Louro 

         

A reunião extraordinária (e informal) do conselho de ministros deste domingo faz lembrar as sucessivas cimeiras europeias.

Anunciada como a reunião onde o governo iria tratar (finalmente) das reformas estruturais que haveriam de tirar o país deste marasmo - desta paralisia sem luz ao fundo do túnel - e marcar uma nova época, e de um novo discurso donde, para dar lugar a esperança e rumo, seria definitivamente riscada a palavra austeridade, esta domingueira reunião extraordinária e sem gravata criou no país fortes expectativas. Exactamente como nas cimeiras da UE, sempre decisivas, sempre a última oportunidade que se não deixaria fugir!

Se havia semelhanças nas expectativas, para não as frustrar – as semelhanças, evidentemente – também as conclusões teriam de estar no tom. No mesmo tom! Que é como quem diz, zero. Nada. Nadinha!

Ouvimos o ministro Miguel Relvas dizer que “o governo fez a avaliação das reformas estruturais que Portugal necessita que sejam levadas a cabo para que possamos criar condições em termos de competitividade”. Ou ainda que é necessário reforçar a “articulação entre o Estado e a economia e a criação de mecanismos de confiança que permitam que a economia portuguesa cresça

Mas isto, e muito mais, todos sabemos que Miguel Relvas é capaz de dizer em qualquer momento, todos os dias ou mesmo todas as horas. Isto é nada, é o vazio do discurso político que estamos fartos de ouvir. Para dizer isto não era necessário estar o governo reunido 11 horas num domingo. Pode até dar jeito como instrumento de marketing – isto é que é um governo com vontade de trabalhar, ao domingo e tudo… - mas soa a falso. Porque, sendo estas as conclusões, ou não fizeram nenhum ou não fazem a mínima ideia do que estiveram a fazer, que dá no mesmo!

Não há ponta de substância. Como não a há quando diz que, com as reformas estruturais, “pensamos ser possível combater a maior praga com que a economia portuguesa está confrontada, que é o desemprego”. Mas pior: para que este ar de mangas arregaçadas tivesse uma sustentação mínima, alguma coisa teria que estar à vista através do Orçamento Geral do Estado recentemente aprovado.

E infelizmente não está! Lá apenas brilha a austeridade em todo o seu esplendor. Bom, há sempre a possibilidade das reformas estruturais estarem lá traduzidas por cortes. E da competitividade por redução de salários e aumento de dias e horas de trabalho…

Arregaçar as mangas para cruzar os braços, é o que é!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics