Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Euro 2024 - V Portugal apoucado

Sem alma, sem chama e sem tino. Outra vez!

Um erro de António Silva - é assim que ficará para a História, se bem que o de Danilo tenha sido bem mais evidente - acabava o ponteiro dos segundos de dar a sua primeira volta, e o talento de Kvaratskhelia, a estrela da Geórgia que brilha no Nápoles, deixaram os georgianos na frente do marcador e confortáveis na sua estratégia, praticamente decalcada da da Chéquia, no primeiro jogo da selecção portuguesa. Como Roberto Martinez também decalcou as asneiras desse jogo, sem a sorte de então, a exibição e o resultado não poderiam ser diferentes do que foram esta noite em Gelsenkirschen.

Relativamente ao último jogo, com a Turquia, o seleccionador manteve apenas três jogadores: o guarda-redes, Diogo Costa, o trinco, Palhinha e o ponta de lança, Ronaldo. Este tem de jogar sempre. Mudou oito jogadores e mudou tudo, regressando aos três centrais, às invenções, com os laterais a jogar por dentro - desta vez foi com Dallot -, e aos jogadores fora das suas posições naturais, da falhada experiência com a Chéquia.

Mas conseguiu ainda fazer pior: juntar Palhinha aos três centrais.

Não. Não começou tudo no erro de António Silva. Começou antes. E não se esgotaram os erros nos de António Silva. Que cometeu outro, no início da segunda parte, que deu num penálti, e no segundo golo da Geórgia. Que, na estreia num Europeu, conseguiu o apuramento para os oitavos de final, pondo de fora a Hungria (com que já contávamos para os oitavos de final) e deixando-nos a Eslovénia pela frente.

Começou na mediocridade de Martinez. Que não é de agora, e que só por milagre melhorará.

A partir do segundo golo - no penálti convertido por Mikautadze, que é por esta altura, com três golos, o melhor marcador da competição -, ainda nos primeiros 10 minutos da segunda parte, esteve sempre mais iminente o terceiro da Geórgia que o ponto de honra da selecção portuguesa.

É verdade que a arbitragem - talvez a pior de toda esta fase de grupos - não ajudou nada. Nem, ao contrário daquilo a que nos estávamos a habituar, a sorte. Mas não é menos verdade que a selecção portuguesa não mereceu melhor que o enxovalho de uma derrota clara perante um adversário que ocupa a 74ª posição do ranking mundial.

Seguem-se os oitavos de final. Onde há gente que não merecia lá estar. Por exemplo a Inglaterra, a maior decepção no que à qualidade de jogo diz respeito, e a Itália. Mas onde estão a Suíça, a Áustria, a Eslovénia e a Dinamarca, as equipas mais bem trabalhadas. A Espanha é de outro campeonato.

Voltou, doze anos depois, a ser a selecção mais completa da Europa. Agora num registo completamente novo, sem o velho - e às vezes entediante - tiki-taka.

 

Euro 2024 - III

Ao quinto dia do Campeonato da Europa chegou a vez do Grupo F, o de Portugal. Abriu com o Turquia - Geórgia, que os turcos, com muita sorte, ganharam por 3-1.

Depois veio a estreia da selecção nacional, com a Chéquia. E foi uma desilusão!

À selecção faltou tudo. E faltou aquilo que - dizem - tem para dar e vender: talento. Contra a mais fraca equipa do grupo - e, pelo que se pôde ver até agora, a mais fraca da competição depois da Escócia - a selecção nacional só não perdeu porque os jogadores checos (ou será chéquios?) fizeram-nos o que os nossos nunca conseguiram: o golo do empate, e a assistência para o da vitória, de Francisco Conceição (entrado ao minuto 90, com Pedro Neto, que fez a "pré-assistência"), já na "compensação".

À excepção esses dois decisivos momentos de ajuda checa a selecção foi os equívocos de Roberto Martinez, e foi Vitinha. Apenas Vitinha se salvou da confusão que o seleccionador lançou na equipa, incapaz de jogar outro futebol que não aquele de duas velocidades (parado e devagar), de passe para o lado, e para trás.

Frente a uma equipa que só defendeu, a selecção passou o tempo a andar por ali com a bola, incapaz de um passe de ruptura, de um lance bola parada minimamente preparado, de um cruzamento com nexo. Na primeira vez que os checos chegaram à área portuguesa, e remataram à baliza, marcaram. Para trás tinha tinha ficado mais de uma hora de jogo naquilo. Para a frente restou meia hora do mesmo, dividida em duas partes: uma primeira, de 7 minutos, até que o amigo Hranac metesse a bola na sua baliza, e uma segunda de 23 minutos, como se o golo do empate não tivesse existido.

Se é isto que, com estes jogadores, Roberto Martinez tem para mostrar, ninguém consegue perceber donde é que vem essa ideia de Portugal ser candidato a ganhar este Europeu.

 

 

Os 26 para a Alemanha

Eis os 26 convocados de Portugal para o Euro 2024 - Euro - SAPO Desporto

Roberto Martínez anunciou ao início da tarde os 26 convocados da selecção portuguesa para o Campeonato da Europa, a realizar-se na Alemanha entre os dias 14 de Junho e 14 de Julho. São eles:

Guarda-redes: Diogo Costa (FCP), Rui Patrício (Roma), José Sá (Wolverhampton)

Defesas: Pepe (FCP), Gonçalo Inácio (Sporting), Rúben Dias (Manchester City), António Silva (Benfica), Danilo (PSG), Diogo Dalot (Manchester United), João Cancelo (Barcelona), Nélson Semedo (Wolverhampton), e Nuno Mendes (PSG)

Médios: Rúben Neves (Al-Hilal), João Palhinha (Fulham), Vitinha (PSG), Bruno Fernandes Dalot (Manchester United), Bernardo Silva (Manchester City), João Neves (Benfica) e Otávio (Al-Nassr)

Avançados: Cristiano Ronaldo (Al-Nassr), Gonçalo Ramos (PSG), Rafael Leão (Milan), Diogo Jota (Liverpool), João Félix (Barcelona), Pedro Neto ( Wolverhampton) e Francisco Conceição (FCP)

Dir-se-á que sem surpresas, mesmo com mais três em relação ao anterior limite de 23. Poderão perguntar por Pote e Nuno Santos, do Sporting e habituais ausentes, Jota, do Vitória Sport Club, ou Ricardo Horta e Bruma, do Sporting de Braga, todos anteriormente convocados. A resposta sairia em pergunta: e quem tirariam?

A parte fácil da resposta seria Pepe e Cristiano Ronaldo. Mas essa é a parte impossível. Têm lugar cativo! Mesmo que o mais provável seja que o defesa luso-brasileiro nem esteja sequer em condições de jogar cinco minutos. E que "o melhor do mundo" jogue cada um dos minutos de cada jogo que a selecção dispute.

Há 10 anos foi divulgada a convocatória para o (frustrante) Mundial do Brasil. Desses 23 de então permanecem três: os dois atrás referidos e Rui Patrício. E em actividade William Carvalho e Rafa - que renunciou à selecção -, já que Neto colocou ponto final na carreira há dois dias.

 

O apuramento da selecção e outra(s) história(s)

Apuramento Euro 2024 :: Euro (Q) Futebol [Seniores] :: Classificação ::  Estatísticas :: Títulos :: Palmarés :: História :: Golos :: Próximos Jogos  :: Resultados :: Notícias :: Videos :: Fotos :: zerozero.pt

A selecção nacional de futebol concluiu ontem a fase de apuramento para o Euro 2024 culminando, com a vitória (2-0, com golos de Bruno Fernandes e Ricardo Horta) em Alvalade sobre a Islândia, num inédito apuramento plenamente vitorioso. Dez jogos, dez vitórias. E com o maior número de golos marcados (37), e o menor de sofridos (2), de sempre!

E, se não sempre, na imensa maioria dos dez jogos, com exibições de alto nível. Poderá dizer-se que o grupo era acessível. Que não encontrou adversários de grande porte, mas também isso depende do patamar que a selecção portuguesa atingiu no panorama do futebol mundial. Durante décadas o apuramento para uma fase final de uma grande competição de futebol era inacessível. Depois passou a esporádico - 1966, 1984 (curiosamente com participações entusiasmantes), 1986 (desastrada) e 1996. 

A partir daí só falhou o Mundial de 1998, em França. E, com maior ou menor dificuldade no apuramento, e maior (Euro 2000, 2004 e 2012 - 2016 foi o do inédito título, mas não foi especialmente brilhante - e Mundial de 2006), ou menor brilho (Mundial de 2002 e de 2014) nas fases finais, esteve sempre presente nos maiores palcos do futebol mundial. 

Este período que lançou a selecção portuguesa para o grupo das selecções obrigatórias nas fases finais iniciou-se com Humberto Coelho, e a magnífica equipa de 2000. Por razões nunca esclarecidas, mas que se lêem bem nas entrelinhas daquilo que é o futebol em Portugal, foi substituído por António Oliveira, no fiasco de 2002. A partir daí sucederam-se reinados mais ou menos longos. Primeiro o longo reinado de Scolari, depois os mais curtos de Carlos Queiroz e Paulo Bento, até ao longo de Fernando Santos.

As gerações de grandes jogadores portugueses iam-se sucedendo, à volta de Cristiano Ronaldo - que tem hoje colegas na equipa que ainda não eram nascidos quando ele começou -, à medida, cada vez mais evidente, que se falhavam grandes selecções, daquelas que são sempre favoritas a ganhar o que disputem, e que deixam o perfume do bom futebol espalhado por onde quer que passem. Com Fernando Santos vieram os títulos - o Europeu de 2016, e a primeira das edições da Taça das Nações - mas nunca a afirmação de uma selecção ao nível da qualidade dos jogadores portugueses, sobejamente exibida nas equipas que integravam, nos maiores clubes do mundo.

Fernando Santos aprisionava o (crescente) talento dos jogadores e era ele próprio refém. Refém da forma como ganhou o Campeonato da Europa, em França. E ... de Cristiano Ronaldo. Incapaz de se libertar de um sem se libertar do outro.

Quando o tentou, quando forçou, acabou. 

Chegou Roberto Martinez e logo se percebeu por que lado tinha partido a corda que, em desespero, Fernando Santos puxara. Deslocou-se de imediato a Riad e essa mensagem de vassalagem não augurava qualquer mudança. 

A vantagem do treinador espanhol, para além da de rapidamente "se fazer português", foi não estar refém de França. Com isso conseguiu libertar os jogadores, formar um grupo, e fazer desta selecção uma equipa capaz de soltar o talento imenso dos jogadores que a compõem. E de, mesmo a jogar muitas vezes com dez, surgir na Alemanha, no início do próximo Verão, com a condição de candidata a campeã europeia.

Aprender depressa

Há poucos meses em Portugal, o homem expressa-se em português e canta o hino. Mas não é só isso - há poucos meses em Portugal, o homem está um autêntico dinossauro do futebol português.

Roberto Martinez não aprendeu depressa. Já trazia a lição bem estudada.

Por isso nada mudou, nada muda e nada mudará. Era esse o objectivo - mudar para que tudo ficasse na mesma. 

Mudança, mesmo, apenas nos três centrais. Uma mudança por nada, e para mais nada que continuar a desperdiçar o talento destes jogadores. Nem "o pé quente" mudou. Sem jogar nada, a selecção continua a ganhar. 

Quatro jogos, quatro vitórias. O melhor de sempre em fases de qualificação, dizem. Sim, quatro vitórias ... com o Liechtenstein e o Luxemburgo, em Março, e com a Bósnia, no sábado passado, e a Islândia, hoje. Se, no sábado, Bruno Fernandes, Bernardo Silva e o exagero do resultado (3-0) ainda conseguiram disfarçar alguma coisa hoje, nada, nem o resultado (1-0, à última da hora, caído do céu) nem ninguém, conseguiu esconder que "o rei vai nu". Que a equipa é uma confusão, que as substituições são só absurdas, servem apenas para emendar a mão, e minorar os erros das disparatadas opções iniciais, e que a opção dos três centrais é uma aberração à luz do naipe de jogadores de que dispõe. 

Bem pode Roberto Martinez falar português, e cantar o hino. Aquela sua primeira viagem mostrou ao que vinha. A disparidade de tratamento que deu a uns assobios e a outros confirmou que não é por bem.

Tudo na mesma

Hoje também é dia de Seleção: Roberto Martínez divulga a primeira lista de  convocados - Seleção Nacional - SAPO Desporto

Era suposto ter-se aberto um novo ciclo na selecção nacional de futebol. Encerrado o ciclo do mundial, de má prestação, a "novela" Cristiano Ronaldo, e a rescisão do contrato com Fernando Santos, com a contratação um novo seleccionador, teria de abrir um novo ciclo.

 Parece que não. A primeira acção do novo seleccionador, a viagem à Arábia Saudita, de vassalagem a Cristiano Ronaldo, começou logo a dizer que não. A primeira convocação de Roberto Martinez, confirma-o.

 "É preciso que alguma coisa mude para que tudo fique na mesma", como Fernando Gomes gosta. Mudou o seleccionador para que tudo ficasse na mesma, e Roberto Martinez foi o agente da mudança para nada mudar. 

Cristiano Ronaldo "tem compromisso" - garantiu o novo seleccionador. Que não olha para o bilhete de identidade. Por isso não vê os 40 anos de Pepe, e o largo futuro que tem num novo ciclo. Não admira, porque também não vê que ele nem está a jogar. Também não admira, porque também não vê que Matheus Nunes também não. E que assim vai continuar, porque até mesmo sem jogar é expulso. Rúben Neves lá vai estando em campo. Jogar é que ... está difícil.

Florentino e Pedro Gonçalves é que não. São bons, diz Roberto Martinez, mas por agora ainda não tão bons como Rúben Neves e Matheus Nunes. E não cabem todos. São só 26!

 

O novo seleccionador

Martínez ″feliz″ por comandar ″uma das seleções com maior talento do mundo″

Está apresentado o novo seleccionador nacional - Roberto Martinez, o espanhol que abandonou a selecção belga depois do mundial. É o terceiro estrangeiro no cargo, depois de Otto Glória - que no épico mundial de 1966 era treinador, que não seleccionador, esse era Manuel da Luz Afonso - e de Scolari, e será porventura uma das melhores opções para, nesta altura e nestas circunstâncias, substituir Fernando Santos.

Gorada a aventureira, e irracional, hipótese Mourinho, actualmente apenas um "Fernando Santos" mais caro, e sem alternativas credíveis disponíveis no mercado nacional, um treinador estrangeiro experimentado e testado em contexto de selecção - ainda mais numa de topo, a que mais duradouramente liderou o ranking FIFA nos últimos anos - seria sempre uma das melhores escolhas.

Poderá criticar-se a duração do contrato, por entrar já no mandato da próxima direcção. Mas também não seria fácil contratar um treinador de primeira linha sem uma perspectiva de ciclo. E este é já o do mundial de 2026!

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics