Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Irrelevâncias

Imagem relacionada

 

Há gente que sabe que só consegue sair da sua irrelevância pela porta do disparate. Estão mesmo convencidos que, quanto mais aberrante for a alarvidade, mais engalanada fica essa porta de saída. São sempre os mesmos, mas um há que é sempre mais o mesmo.

Mas, ir a botar palavra aos jotinhas populares para declarar Portas o melhor ministro da defesa que o país conheceu, juntar a essa declaração orgulho no negócio dos subamarinos, à conta do qual há gente presa em todo o lado menos neste cantinho cheio de gente desta, só o torna ainda mais irrelevante. Para não utilizar outro (des)qualificativo...

Porta aviões ao fundo!

Por Eduardo Louro

 

Ao fim de oito anos - oito - o Ministério Público não encontrou nada que, na compra dos submarinos, lhe permitisse encontrar por cá, sequer, as outras faces da moeda que, na Alemanha, levou a que onze pessoas fossem condenadas por corrupção. E mandou arquivar tudo, por falta de provas, mas ainda com a singular lata de lavar as mãos da forma mais abjecta possível: "não foram encontradas provas, mas os crimes, a terem existido, já teriam prescrito"!

Não se pedia muito. Pedia-se apenas que conseguissem encontrar os que receberam aquilo que os alemães pagaram. E tiveram oito anos para isso!

Mas nem isso... Houve corrupção, os alemães corromperam, mas em Portugal não se sabe quem foi corrompido. Os alemães pagaram, mas em Portugal não se sabe a quem... Mesmo que todos os dias surjam uns cavalheiros na Assembleia da República a dizer que receberam uns milhões... Mas que não sabem por quê!

Não são dois submarinos... É o porta aviões que vai ao fundo!

Vergonha de ser português

Por Eduardo Louro

 

 

 

 

 

Não é apenas por falta de emprego que milhares de portugueses saem cada vez mais do país. Também é por coisas como as que se contam no texto anterior. E no anterior. E em tantos outros, por aí abaixo. É por tudo isto que, como o Jorge Fiel, cada vez mais portugueses têm vergonha de ser portugueses... E por isso desistem de Portugal. E também por isso partem, deixando os que cá ficam cada vez mais envergonhados disso!

Seis em um!

Por Eduardo Louro

 

Estamos infelizmente habituados a tudo e já nada nos surpreende. Mas não é fácil encontrar nada mais concentrado: seis em um!

No mais obscuro dos negócios do Estado – o dos submarinos –, na véspera da entrada em incumprimento de um dos contratos de contrapartidas, um ministro – Álvaro Santos pereira – alarga o prazo contratual e evita, assim e in extremis, o incumprimento do fornecedor que, entretanto, respondia já em Tribunal por outros incumprimentos. Questionado no Parlamento sobre essa decisão, o ministro defende-se dizendo que essa revisão do contrato estava suportada por um Parecer Jurídico contratado a uma sociedade de advogados (PLMJ), assinado por Nuno Morais Sarmento - por acaso, era membro do governo que tinha comprado os submarinos - e emitido três semanas depois de assinada a alteração ao contrato. Quer dizer o ministro Álvaro não pediu um Parecer para fundamentar a sua decisão. Não, primeiro assinou o contrato e depois foi pagar para que lhe fosse dada cobertura…

Vamos por partes: (1) negócio dos submarinos; (2) perdão de um incumprimento, a incumpridor sucessivo, com prejuízo do Estado; (3) mentir ao Parlamento; (4) violação do princípio da independência; (5) compadrio; (6) desperdício de dinheiros públicos. Seis em um. Pelo menos, porque à pouca vergonha já ninguém liga!

Vamos por partes... mesmo debaixo de água!

Por Eduardo Louro

 

 

Vamos então por partes: o tribunal absolveu todos os dez arguídos, com o argurmento que o Estado português  “dispunha de meios de controlo” do contrato de contrapartidas assinado com um consórcio alemão pela venda dos dois submarinos a Portugal e “podia renunciar à transacção”. Quer isto dizer que não há criminosos naquela gente, que há é negligentes, se não criminosos, no Estado português. Há, portanto, que passar à parte dois, que dar o passo seguinte.

Fiquemos então à espera que tenha sido tirada a correpondente certidão!  

PINGOS E COSTUMES

Por Eduardo Louro

                                                                      

Há documentação sobre a famosa compra dos submarinos desaparecida do Ministério da Defesa.

Louçã deu uma pista, e lembrando a maratona de fotocopiadora de Paulo Portas na última noite da sua anterior passagem pelo governo, sugeriu que se procurassem esses documentos nas fotocópias do então Ministro da Defesa. Que, em resposta, se limitou a dizer que a história está mal contada: a melhor maneira para continuar a passar entre os pingos desta chuva!

O actual Ministro não faz melhor e pede à Procuradoria Geral da República que lhe diga "quais são os documentos, quando desapareceram e onde desapareceram". Só lhe falta pedir que lhe diga onde estão!

E pronto: isto não tem importância nenhuma. Como já se sabia!

É o costume: há corrupção, mas se há corruptores nunca há corrompidos. E se há corrompidos nunca há corruptores… E há sempre pingos demasiado largos por onde passa sempre muita gente sem se molhar!

Caem em Portugal, e não se lhe chama chuva. Chamam-se-lhe brandos costumes!

PORTUGAL NÃO É A GRÉCIA

Por Eduardo Louro

 

 

A Grécia, como Portugal, comprou submarinos à Ferrostal. Na Grécia, como em Portugal, ninguém sabe ao certo para que servem. Na Grécia, como em Portugal, sabe-se que houve corrupção da grossa no negócio. Na Grécia, como em Portugal, foi aberto um processo judicial. Em Portugal esse processo foi aberto em 2006, há seis anos… Na Grécia, o ex-ministro da defesa que comprou os submarinos foi preso!

Em Portugal não se passa nada: há corrupção, às vezes há corruptores, mas nunca há corrompidos. E, como se prova, nunca nada se prova...

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics