Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Espreitando por trás dos taxis

Imagem relacionada 

 

Por trás da forma como se manifestam os taxistas, com mais ou menos arruaça, com mais ou menos - geralmente com mais - desacatos, com mais ou menos perturbação da ordem pública, ou mesmo com a subversão das formas de luta - como ontem aconteceu ao transformar uma marcha lenta num bloqueio - não há apenas uma desproporção de regulação difícil de perceber. E de aceitar.

Mesmo que este confronto se limite a opor dois tipos de agentes que basicamente desempenham a mesma actividade económica, mas a quem o Estado regulador coloca exigências completamente diferentes, ao ponto de, a uns, exigir tudo e, aos outros, não exigir nada, percebe-se o que está por trás.

Percebe-se a marcha do neo-liberalismo global que leva á frente tudo o que seja regulação. Que esmaga à sua passagem tudo o que encontre e que, de alguma forma, crie obstáculos ao resplandecente laissez fair laisser passer da globalização. 

A uberização das sociedades é isto que hoje se vê embrulhado nestas plataformas de mobilidade, que no fundo coloca aos cidadãos um trade off  que cheira a chantagem: toma lá vantagens e facilidades inidividuais enquanto cliente, e dá cá, enquanto cidadão, todos os direitos colectivos que possam constituir os nossos deveres e obrigações. A uberização é a precarização das relações sociais, é um mundo sem direitos laborais nem obrigações contratuais. Sem regularização. E sem Estado que não seja em serviço próprio!

O que não quer dizer que o regulado mundo dos taxis esteja cheio de virtudes. Nada disso...

 

Sebastianismo de taxi

Por Eduardo Louro

 

Sabe-se como nós, portugueses, somos muito dados ao messianismo, criamos mesmo uma versão portuguesa - o sebastianismo. Esperamos por D. Sebastião durante séculos, mas em vez do jovem rei, que deveria chegar numa manhã de nevoeiro cheio de pó do deserto, chegou-nos um menos jovem, desempoeirado e fresco que nem uma alface do interior da Beira. Por cá reinou durante 50 anos, transformando o país numa remota aldeia rural afastada do mundo e do futuro, onde nos manteve em cativeiro feitos prisioneiros da ignorância. Partiu, por obra e graça de uma cadeira que também se partiu, mas deixou marcas que não se apagam. O país saltou os muros da aldeia, abriu-se ao mundo e deixou entrar o futuro... Mas os prisioneiros deixaram-se ficar, fiéis à ignorância. Conhece-se hoje o fenómeno, chamam-lhe síndroma de Estocolmo!

E como orfãos procuraram novos Messias. Sem grande critério, sem grande exigência. Tudo tem servido... O José Gomes Ferreira, com programa de governo e tudo. E, claro, o Medina Carreira, o taxista a quem bastava uma hora de televisão para mudar o país...

Que depois de centenas de horas, em todas as estações e horários, desistiu. Não da Televisão, que paga bem, mas de mudar o país. Isso deixou agora para Pinto da Costa!

Falta-lhe sentido de oportunidade, esta não será a melhor altura para entregar a Pinto da Costa o que quer que seja. Mas sabe-se que o país sempre teve problemas de pontualidade, e nem por isso deixou de chegar aqui, a quase nove séculos de vida. Um taxista experimentado tem sempre por onde sair...

 

O taxista-mor

Por Eduardo Louro

 

Há muito que em Portugal muitos se deixaram seduzir pela conversa de taxista. A populi gosta da conversa, dá-lhes ouvidos e com isso mercado. Por isso, aumenta cada vez mais o número de taxistas em Portugal, entendidos não como profissionais do volante mas como profissionais de um certo discurso populista e balofo.

Medina Carreira terá sido dos primeiros profissionais encartados. Começou, se bem se lembram, há já muitos anos, por reclamar uma hora de antena televisiva. Dizia então que, dessem-lhe uma hora de televisão, e ele mudaria o país. Deram-lhe centenas de horas de televisão a solo, ora em plano inclinado ora olhos nos olhos, e mais umas largas dezenas em fóruns e debates para onde era catapultado como grande especialista em coisa nenhuma, mas o país ficou na mesma: cada vez pior, como sempre.

Não sei se é por isso que lhe continuam a dar mais e mais horas de televisão, á espera que realmente acabe por mudar o país. Desconfio que não, desconfio que já toda a gente percebeu que ele não muda coisa nenhuma. Perceberam é que aquilo tem mercado, como já bem sabíamos!

Ontem regressou à antena da TIVI 24 - depois de férias, na companhia da mesma da sparring partner, bem treinada para estes números -para, mãos firmes no volante, e olhos ora esbugalhados no rectrovisar ora revirados para o banco de trás, a acompanhar o movimento contorcionista do dorso à procura de cumplicidade no acenar de cabeça do cliente, se atirar - também ele - ao Tribunal Constitucional. "Para se cumprir o que os juízes querem temos que sair do euro”- sentenciou, sem deixar de explicar - à taxista, evidentemente - que “uma boa forma de satisfazer o Tribunal Constitucional era sair do euro”.

O taxista-mor do reino no seu melhor. Pedro Passos Coelho, que nada tem contra a Constituição, e que até acha que não é preciso revê-la, ainda não se tinha lembrado desta...

 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics