Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

ACIMA DAS POSSIBILIDADES

Por Eduardo Louro

 

Enquanto em Belém tomavam posse os novos secretários de Estado, numa cerimónia sem cerimónias – certamente porque, nas palavras do primeiro-ministro, a remodelação “não tem dignidade para ocupar grande destaque político” – no Fundão, um dos que resistira no governo, Almeida Henriques, Secretário de Estado Adjunto da Economia, instado a comentar o novo máximo do desemprego (16,5%), divulgado hoje referente a Dezembro, dizia que isso se justifica por termos andado a viver acima das nossas possibilidades.

Fantástico, verdadeiramente extraordinário! É certamente por ter esta visão, tão brilhante quanto clarividente, que não foi remodelado e que ali estava a botar faladura enquanto a maioria dos seus colegas já estava em casa.

Desta é que ainda ninguém se tinha lembrado: o desemprego não pára de subir porque, vivendo acima das nossas possibilidades, criou-se emprego que não era necessário!

Já que não tem tino, nem vergonha, nem sequer imaginação convinha, no mínimo, que o secretário de Estado da Economia fizesse alguma ideia do que é a economia. E, já agora, que não vivesse acima das suas possibilidades. Bem limitadas, como se percebe!

 

 

O PESO DAS PALAVRAS

Por Eduardo Louro

 

É curioso reparar como as palavras têm pesos diferentes conforme as diferentes circunstâncias. É caso para também dizer que as palavras são elas mesmas – as palavras – e as suas circunstâncias!

Palavras ou expressões que uns se recusam a pronunciar mas que outros não encontram sequer um sinónimo para alternativa. Tudo isto sem que muitas vezes se perceba muito bem por quê, mas a verdade é que há palavras e expressões que, se a uns queimam, a outros refrescam!

Na política isto é recorrente!

São muitos os exemplos – prometo que voltarei ao tema – mas, por hoje, detenho-me em dois que estão na ordem do dia.

Na passada quinta-feira toda a gente aplaudiu as notícias que chegavam da cimeira europeia. Pelas decisões sobre a Grécia mas particularmente pelo que nos tocou a nós na componente do resgate financiado pela UE: com a quebra significativa na taxa de juro e o alargamento do prazo de reembolso para o dobro.

Isto é, regozijámo-nos porque, finalmente, a UE reconheceu aquilo que, há muito, uma boa parte da sociedade portuguesa reclamava: a necessidade de reduzir a taxa de juro e alargar o prazo. Porque, independentemente de serem ou não criadas as condições para trocar políticas económicas recessivas por outras de crescimento – e é aí que está de facto a chave do problema -, sem essa reformulação não era mesmo possível pagar a dívida.

Toda a gente o percebia, toda a gente o reclamava - excepto o ministro das finanças (o que tem que se compreender) que, quando lhe falavam nisso, dizia de imediato que isso não era importante e nem sequer para já – e toda a gente lhe chamava reestruturação da dívida! Expressão maldita para o governo – para facilitar chamemos-lhe assim – e para a direita, mas que a esquerda sempre utilizou. A direita, ou mesmo o chamado arco do governo, teve medo da expressão logo que ela foi introduzida na discussão pública pela esquerda. Pela conotação e pelas agências de rating, e por isso nem sequer ousava falar na redução da taxa de juro…

E, no entanto e em qualquer circunstância, alterar condições tão determinantes – mesmo as mais determinantes – de uma operação de financiamento é reestruturá-la. Com todas as letras!

O outro exemplo que me ocorre vai - pode dizer-se – em sentido contrário. Na abordagem da actual e dramática situação portuguesa é comum ouvir-se dizer que ela resulta de termos andado a viver acima das nossas possibilidades. Esta é uma expressão – e permitam-me mais uma vez que simplifique – usada pela direita mas que indigna a esquerda, que contrapõe com a impossibilidade de alguém que ganhe os salários mais baixos e mais desiguais da Europa gastar acima das possibilidades.

E é de facto chocante admitir que quem ganha 500 euros – muitíssima gente, pois o salário médio nacional ronda os 700 – e que tem que pagar a água, a electricidade, o gás, a renda de casa e as mais básicas das despesas básicas viva acima das suas possibilidades. E no entanto todos percebemos que, enquanto país, andamos há muitos anos a viver não do que produzimos mas do que nos emprestam. Isto é, de facto acima das nossas possibilidades! E percebemos isso tão claramente quanto isso nos entra pelos olhos dentro: basta olhar para os automóveis que circulam nas nossas estradas e nas nossas cidades! E já nem digo para que se compare com o que se vê na Holanda, na Dinamarca, na Finlândia, na Noruega ou na Suécia, só para referir alguns dos mais ricos dos países mais ricos do mundo!

Pois é: da mesma forma que a direita não quer ouvir falar de reestruturação da dívida porque isso mexe com os mercados financeiros, também a esquerda se recusa a ouvir falar de vivermos acima das nossas possibilidades porque isso mexe com a sua suposta base social de apoio. E pur si muove !

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics