Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Uma nova era na Justiça?

Por Eduardo Louro

 

Parece evidente que a Justiça entrou numa nova fase.  Não sei se decorre da mudança na Procuradoria Geral da República. Ou se, por outro lado, terá alguma coisa a ver com a percepção, por parte do poder judicial e perante a degradação geral das instituições, que teria de assumir as suas responsablidades perante o país. Que tinha de dar um sinal de esperança aos portugueses. Poderá ter tudo a ver com tudo isso, como poderá não ter nada a ver com isso... Não importa, o que importa e é inegável, é que a Justiça perdeu o medo de afrontar os poderosos. E que isso abre uma nova era!

Esta é uma mudança que tem de se saudar. Por muito que choque muita gente, que preferiria manter a paz podre, continuando a varrer toda a porcaria para debaixo do tapete.

Como Clara Ferreira Alves, aterrorizada  com esta "Justiça de terceiro mundo" que "ataca o regime e o que ele representa", sem cuidar de exactamente do ponto a que o regime chegou. E do que representa ... Como Pedro Adão e Silva, que diz que "temos na sociedade portuguesa um exercício de poder da parte das magistraturas com muita arrogância e que questiona os alicerces do Estado democrático", sem questionar o estado em que estão esses alicerces. Ou como o anterior PGR, Pinto Monteiro, que ao explicar a infeliz coincidência do seu almoço da semana passada com Sócrates, diz que "está a haver um aproveitamento político num caso jurídico" e que há agora "uma promiscuidade entre política e justiça", quando não enxerga que é ele próprio que surge aos olhos dos portugueses como agente principal dessa promiscuidade.
Claro que há problemas. Claro que não é aceitável que continuemos a assistir a fugas de informação. Não é admissível que certos orgãos de comunicação social - sempre os mesmos - tenham acesso a informação que deveria estar protegida. Não é tolerável que estações de televisão assistam à detenção, nem que um jornal tivesse uma edição especial pronta a sair. Também não é de bom gosto que as televisões façam disto uma telenovela, e disso já a Justiça não tem culpa nenhuma. Mas não se tome a núvem por Juno!

E acima de tudo desmacare-se quem usa as tribunas de opinião e uma suposta isenção jornalística para virar tudo ao contrário. Que é o que fazem Clara Ferreira Alves e Pedro Adão e Silva, que chegou há momentos, na SIC Notícias, ao desplante de afirmar que, ao decretar a prisão preventiva para Sòcrates, o juiz estava a negar-lhe a presunção da inocência e a afirmar a presunção da culpa!

 

 

 

 

 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics