Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Quinta Emenda

Tenho o direito de ficar calado. Mas não fico!

Volta sem batota, mas com "batotice"

António Carvalho vence na Senhora da Graça. Glassdrive preenche pódio -  Renascença

Andava zangado com o ciclismo português, por causa da batota que se revelou ter sido nos últimos anos, e por isso não tinha trazido aqui a Volta a Portugal deste ano. Hoje, com o espectáculo da Senhora da Graça, rompi com essa zanga.

Já me aconteceu noutras ocasiões com o ciclismo, nacional e internacional. Porque afinal o "ciclismo é isto mesmo", zangamo-nos com a batota mas, no fim, a sua espectacularidade acaba sempre por falar mais alto. E por levar os adeptos da modalidade a esquecer essas traições, e a voltar a acreditar.

Foi assim, mais uma vez, hoje na Senhora da Graça. E cá estou reconciliado com este ciclismo, agora - quero crer - expurgado da batota. Que, por cá, chega sempre do mesmo lado.

Com o ciclo da batota do Porto/W52 interrompido, esta foi a Volta da Glassdrive, que vestiu a camisola amarela no prólogo, em Lisboa, e nunca mais a perdeu. Limitou-se a distribuí-la por três dos seus ciclistas, dominando por completo as três etapas decisivas desta Volta.

Na primeira, há uma semana, na Torre, trocou-a de Rafael Reis, que ganhara, como habitualmente, o contra-relógio do prólogo para o uruguaio Maurício Moreira, que ganhou na Serra da Estrela, e que é o eleito da equipa para ganhar a Volta. Que, apesar da batota, só não ganhara a Volta no ano passado por ter sofrido uma queda no contra-relógio final. A meio da semana, Frederico Figueiredo ganhou na inédita passagem pela Serra da Lousã, lá em cima, no Observatório do Parque Eólico de Vila Nova, em Miranda do Corvo, e passou ele a vestir a amarela, com 7 segundos de vantagem. 

Na Serra da Estrela ou na da Lousã, sempre com um grande trabalho de António Carvalho. Que era - e é ainda - quarto da geral, e prestou inestimáveis serviços ao uruguaio, que literalmente rebocou na Lousã, evitando que a vantagem de Frederico Figueiredo se tornasse praticamente irrecuperável.

Deste trabalho da Glassdrive tem aproveitado Luís Fernandes, da Rádio Popular/Boavista, para se agarrar ao terceiro lugar. Sempre "na gosma", como se diz na gíria. 

Hoje, na Senhora da Graça, tudo foi diferente. Mas não tão diferente assim.

A Glassdrive atacou a corrida e tudo fez para acabar com "a mama" do ciclista da Rádio Popular/Boavista, uma equipa que também nunca fez nada pela corrida. Tudo começou com o ataque de António Carvalho, a que se seguiu, depois, o dos dois colegas de equipa que ocupam os dois primeiros lugares, deixando o boavisteiro nas covas, incapaz de resistir ainda ao espectacular Alejandro Marque, em despedida, e acabando ultrapassado por grande número de ciclistas que vinham de trás.

Na frente, e descartado Luís Fernandes, António Carvalho esperou pelos seus dois colegas de equipa, para chegarem os três lá ao alto do Monte Farinha, ao ritmo conveniente a Maurício Moreira. Que não ao que podiam os outros dois.

Ganhou António Carvalho, repetindo o feito do ano passado, e o único que ainda não tinha ganhado nesta Volta. Mas, para que o uruguaio não tivesse perdido a hipótese de, amanhã, no contra-relógio final, ganhar este ano, em vez de Frederico Figueiredo, bem melhor na montanha e justíssimo vencedor da categoria, perdeu a possibilidade de chegar ao terceiro lugar da geral, e assim fechar um inédito pódio de uma só equipa. 

Não fora a decisão de manter a corrida na esfera de Maurício Moreira teria recuperado a diferença que tinha para o terceiro lugar do corredor da Rádio Popular. Ficou a 29 segundos disso. Mas só por isso!

Uma decisão lamentável, e anti-desportiva, a meu ver. Não é a batota de que se fala. Mas não é bonito. Nem racional: ninguém percebe que entregar a vitória na Volta a um ciclista pré-definido seja mais importante que toda a equipa ocupar o pódio, num feito inédito, tanto quanto me recordo.  

Amanhã bastará a Maurício Moreira, na sua especialidade, ganhar a Frederico Figueiredo os 7 segundos que tem de desvantagem para ganhar esta Volta. A última dos consagrados Alejandro Marque e Tiago Machado, e de Micael Isidoro, o meu amigo Mika.

Uma volta sem batota mas, ainda assim, com "batotices"! 

 

Acompanhe-nos

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Mais sobre mim

foto do autor

Google Analytics